terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

O senhor concorda que adolescentes lecionem para crianças ou adolescentes na Escola Dominical?




Por Marcos Tuler

Minha resposta:

O ideal é que os adolescentes e jovens até os 20 anos, pelos menos, permaneçam assistindo as aulas em suas classes. Não é recomendável que um adolescente entre 12 e 17 anos, por exemplo, ensine a outros adolescentes ou mesmo às classes infantis. Por mais que possam estar preparados em termos de conteúdo, capacidade intelectual e domínio das novas tecnologias de ensino; eles não possuem maturidade e discernimento suficientes para conduzirem o processo de ensino-aprendizagem, com segurança e eficiência. E o mais importante, é que eles estão na fase de aprender a Palavra de Deus. Estão no auge do seu desenvolvimento cognitivo. Não podemos privá-los de receberem, nesta época tão intensa e difícil da vida, o alimento espiritual que necessitam.
Além disso, os adolescentes são desafiados constantemente: pelas filosofias do nosso tempo, pela falsa ciência, vivem o problema da instabilidade da família, da deturpação da sexualidade, da sedução das drogas, e sofrem a influência da mídia.
Portanto, essas e muitas outras razões justificam a necessidade de eles estarem em sala de aula sendo orientados por professores mais experientes e fundamentados pela Palavra de Deus.
É claro, não podemos negar que há adolescentes e jovens que, além de vocacionados naturalmente para o magistério, são chamados por Deus para atuarem na educação cristã. Todavia, precisam esperar com paciência. Chegará o tempo em que eles poderão somar sua inteligência e vitalidade à experiência; tão necessária às demandas da educação na igreja.

2 comentários:

Ricardo disse...

Do ponto da ética cristã não concordo. Já observando a realidade em várias igrejas atualmente, é constante e comum ver-mos jovens e crianças lecionando nas EDs. É como bem colocou o Pr. Tuler " Por mais que possam estar preparados em termos de conteúdo, capacidade intelectual e domínio das novas tecnologias de ensino; eles não possuem maturidade e discernimento suficientes para conduzirem o processo de ensino-aprendizagem, com segurança e eficiência." Só que o certo choca-se com a falta de "mão de obra especializada".

Paz do Senhor e até a próxima

Pastor Marcos Tuler - Twitter.com/MarcosTuler disse...

Caro irmão Ricardo, infelizmente é verdade. Temos de partir do que é ideal. precisamos focar, perseguir e alcançar o ideal. Caso contrário, não iremos muito longe. Temos de "forçar a barra", e trabalhar de forma correta; aí os recursos virão.

Muito obrigado por seu valioso comentário.